22/02/2019
Artigo: Síntese histórica e análise dos impactos para os estados menos favorecidos da LC 160/2017

 
 

 

Por Dayse Chaves

ANO 1975

Regulamentação dos benefícios fiscais – LEI 24/1975 Dispõe sobre os convênios para a concessão de isenções do imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias, e dá outras providências.

Art. 1º - As isenções do imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias serão concedidas ou revogadas nos termos de convênios celebrados e ratificados pelos Estados e pelo Distrito Federal, segundo esta Lei.

Art. 2º - Os convênios a que alude o art. 1º, serão celebrados em reuniões para as quais tenham sido convocados representantes de todos os Estados e do Distrito Federal, sob a presidência de representantes do Governo federal.

  • 2º - A concessão de benefícios dependerá sempre de decisão unânime dos Estados representados; a sua revogação total ou parcial dependerá de aprovação de quatro quintos, pelo menos, dos representantes presentes.

Percebe-se que a exigência de aprovação por todos os membros do CONFAZ acaba por chocar-se com os princípios da democracia, em que se assentam as estruturas do Estado Brasileiro. Pautar-se na democracia é obedecer à vontade da maioria e não a vontade de todos.

No entanto, a razão da exigência de celebração de convênio para a concessão de benefícios fiscais decorre da intenção de combater as disparidades socioeconômicas e evitar a guerra fiscal entre os Estados

Aprovados no CONFAZ e benefícios internos (Legislação Estadual às margens do CONFAZ) –

A dificuldade para se conceder benefícios fiscais e a enorme desigualdade regional acaba por levar muitos Estados a conceder tais benefícios sem respeitar o dispositivo constitucional e a Lei 24/1975, aprovando-os à revelia do CONFAZ.

No entanto, no âmbito dos Tribunais do Judiciário, a necessidade de convênio para a concessão de benefícios fiscais do ICMS sempre foi considerado um dogma inafastável na jurisprudência, de forma que todos os casos em que o benefício foi concedido sem a previa aprovação do CONFAZ, o resultado final foi a declaração de inconstitucionalidade da lei concessiva.

ANO - 2011

PROTOCOLO 21/2011 – Vendas e-com – Signatários os Estados do Norte e Nordeste

O Supremo Tribunal Federal declarou a inconstitucionalidade do Protocolo 21/2011 por violar o artigo 155, § 2°, VII, b’ da Constituição da República Federativa do Brasil. A inconstitucionalidade apontada pela Suprema Corte foi de natureza material, pois instituiu uma modalidade de substituição tributária sem previsão legal e criou uma forma de autotutela das receitas do imposto por meio de uma norma incompetente para tanto. Ressalte que o STF reconheceu a necessidade da descentralização dos recursos nas unidades de origem e sua partilha com os estados de destino das mercadorias.

ANO 2013

Resolução Senado Federal nº 13/2012 e Convênio ICMS nº 123/2012

4% PARA PRODUTOS IMPORTADOS

Guerra dos portos – Produtos importados

A partir de 1º.01.2013, a alíquota do ICMS nas operações interestaduais com bens e mercadorias importados do exterior é de 4%.

ANO 2015

EC 87 –Convênio 93/2015 – Regulamentados internamente

Regulamentado na PB pela Lei 10.507/2016 publicada em 18/09/2015

(Principal ponto) - Transferência de atividades do fisco para o contribuinte - Repartição de receitas

 

ANO 2016

Convênio 42/2016 – Convalida benefícios anteriormente considerados inconstitucionais – possível Insegurança jurídica.

Autoriza os estados e o Distrito Federal a criar condição para a fruição de incentivos e benefícios no âmbito do ICMS ou reduzir o seu montante.

Na PB o referido convênio foi regulamentado pela Lei 10.758/2016

Decreto 36.927/2016 – Publicado 22/09/2016 - Competência 10/2016

Possibilidade de comprometer o planejamento tributário das empresas, investimentos e projeções.

ANO 2017

LC 160/2017

Antes de fazermos algumas considerações, acho importante discorrermos sobre o que é a Lei Complementar 160/2017, a referida norma tem a proposta de minimizar ou até mesmo acabar com a chamada “guerra fiscal” entre os Estados, pelo histórico acima, podemos perceber que houve várias tentativas legislativas nesse sentido.

A referida norma delibera sobre a remissão dos créditos tributários, constituídos ou não, decorrentes das isenções, dos incentivos e dos benefícios fiscais ou financeiro-fiscais instituídos em desacordo com o disposto na alínea “g” do inciso XII do § 2o do art. 155 da Constituição Federal e a reinstituição das respectivas isenções, incentivos e benefícios fiscais ou financeiro-fiscais e altera a Lei no 12.973, de 13 de maio de 2014.

Pois bem, nesse norte, temos que a LC 24/75 regulamenta no §2º do art. 2º, transcrito acima, que para os Estados concederem benefícios fiscais no âmbito do ICMS (Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação), só seria possível mediante aprovação unânime dos Estados representados, bem como a sua revogação total ou parcial dependerá de aprovação de quatro quintos, pelo menos, dos representantes presentes.

É cediço que os Estados menos desenvolvidos economicamente utilizam de todos os métodos possíveis com o propósito de atrair investimentos para sua região, em uma busca incessante de desenvolvimento econômico e geração de emprego e renda.

A unanimidade anteriormente exigida, no meu entendimento, trazia um relevante prejuízo para os Estados menos favorecidos economicamente, não precisa ser um grande estudioso de economia e áreas afins para concluir que a estrutura logística para os Estados do Norte Nordeste, necessariamente, requer um esforço muito maior do que a estrutura utilizada nos grandes centros, a exemplo do Estado de São Paulo, sendo este um Estado genuinamente produtor, sem necessidade de abrir mão de parte de seus recursos para atrair investidores, realidade oposta a de muitos Estados.

Podemos concluir que a Lei Complementar, traz um norte para solucionar o problema da Guerra Fiscal, por meio de regras claras e viáveis para a sua concretização. O cumprimento dependerá exclusivamente da vontade e interesse político dos Estados os quais publicaram a relação dos incentivos fiscais concedidos unilateralmente e na celebração de Convênio com os demais Estados. A LC 160/2017 foi internalizada no Estado da Paraíba por meio do Decreto Nº 38.179 de 26/03/2018 no qual relaciona atos legislativos nos quais são concedidos benefícios fiscais ou algum tipo de redução da carga tributária.

 

 

      Veja outras notícias:


 

  • Primeira Conferncia da Mulher Advogada do Serto em Patos
    Primeira Conferência da Mulher Advogada do Sertão em Patos
  • O antes e o depois da Nova ESA Campina Grande
    O antes e o depois da Nova ESA Campina Grande
  • Inaugurao Nova ESA Campina Grande
    Inauguração Nova ESA Campina Grande
  • Solenidade especial de entrega de carteiras
    Solenidade especial de entrega de carteiras
  • Lanamento da Incubadora Jurdica da OAB-PB
    Lançamento da Incubadora Jurídica da OAB-PB
  • Colgio de Presidentes de Subsees
    Colégio de Presidentes de Subseções
 

 

   
 



MAIS LIDAS

 

OAB-PB pede à Corregedoria do TJ revogação de Portaria da 5ª Vara de Família de JP que viola prerrogativas

 

OAB-PB realiza II Curso Preparatório para Advocacia; participe

 

OAB-PB realiza solenidade de entrega de carteiras a advogados e estagiários nesta quarta e quinta; confira nomes

 

TJ atende pedido da OAB-PB e advogados não precisam mais passar por revistas em Fóruns

 

Lei garante poderes à advocacia paraibana para autenticar documentos

 

INFORMATIVOS OAB-PB

 

 

Receba nossos informativos no seu e-mail.

 

 

 
 
 

OAB-PB
Diretoria
Conselho Seccional e CCA
Comissões
Ouvidoria Geral da OAB-PB
Subseções
Câmaras
Tribunal de Ética

SERVIÇOS
Central de Currículos

Documentos para inscrição
Eleições
Exame da Ordem
Legislação

 

 
Pagamento de Anuidade
Resoluções
Requerimento de Certidão
Portal da Transparência
Tabela de Honorários
Convênios
Acesso ao Webmail

ENDEREÇO
Rua Rodrigues de Aquino, 37
CEP: 58013-030
Centro - João Pessoa - PB

TELEFONES
(83) 2107-5200
(83) 2107-5219
(83) 2107-5205 (FAX)