30/04/2016
Por Danielle Patrícia - A luta (contra a CPMF) continua!

 
 

 

Por Danielle Patrícia Guimarães Mendes

 

A CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira) foi um tributo federal – especificamente uma contribuição para o custeio da Saúde Pública, Previdência Social e do Fundo de Erradicação da Pobreza – que surgiu em substituição ao IPMF (Imposto sobre Movimentação ou Transmissão de Valores e de Créditos e Direitos de Natureza Financeira).

 

A referida contribuição, então embasada pela EC 12/96 (art. 74 dos Atos de Disposições Constitucionais Transitórias – ADCT) e pala Lei n. 9.311/96 que elaborou sua hipótese de incidência e determinou duração de treze meses, foi prorrogada, posteriormente, para 24 meses, pela Lei n. 9.539/1997. Em seguida, as Emendas Constitucionais (EC) 21/99, 31/2000, 37/2002 e 42/2003, prorrogaram-na até 2007 (art. 90 ADCT). De se destacar que, poucos dias antes da sua expiração, em 2007, houve ainda uma pretensão de mais uma prorrogação da citada exação, até 2011, o que foi rejeitado pelo Plenário do Senado Federal.

 

Em tese, a exação fora criada com o objetivo principal de custear, em grande parte, as despesas com saúde pública, mas, durante toda a sua vigência, foi alvo de críticas e discussões judiciais, dentre outros aspectos, em virtude da correta aplicação de seus recursos, sobretudo em face da destinação específica, característica das contribuições especiais.

 

Segundo a citada legislação, a contribuição incidia sobre as movimentações financeiras realizadas pelas pessoas físicas ou jurídicas (tendo chagado a 0,38%) e representava considerável arrecadação para o Governo Federal. Com a extinção do tributo, a União perdeu uma receita de, aproximadamente, 40 bilhões de reais/ano.

 

Sem dúvida, o tributo representa muito para o Fisco Federal, não apenas em termos de valores angariados, mas também em relação à facilitação na sistemática de arrecadação, cobrança e fiscalização, posto que os montantes das movimentações são facilmente detectáveis e as instituições financeiras sempre funcionaram como eficientes agentes do Fisco.

 

O Governo Federal apresentou uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC 140/2015), por meio da qual pretende acrescentar o art. 90-A aos ADCT, restituindo, em caráter provisório, a CPMF, a partir da restauração da Lei n. 9.311/96. Segundo a referida proposta, a exação seria instituída até 2019 e teria uma alíquota de 0,20% sobre as movimentações financeiras, sendo a sua arrecadação destinada ao custeio da Previdência Social. Conforme se depreende da tramitação da proposta, na Câmara dos Deputados, desde 01.12.2015, ela se encontra na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, tendo como relator o deputado Arthur Lira (PP-AL).

 

Muitos são os setores da sociedade que se posicionam contra a volta da CPMF, dentre eles, a própria OAB que está em plena campanha nacional contra a tributação “Agora chega de Carga Tributária”, tendo o apoio de muitas outras entidades, algumas das quais, inclusive, ligadas ao setor de saúde. O movimento intenta mobilizar o maior número de pessoas a se informarem sobre o perigo da volta do tributo e se posicionarem contra, levando-se em consideração, sobretudo, a já excessiva carga tributária brasileira aliada à má gestão dos recursos públicos, especialmente em tempos de corrupção deflagrada. #NãoàCPMF e http://agorachega.org.br/ são hashtaglink oficiais do movimento.

 

Não é de hoje que o repasse, para o particular, das contas decorrentes de má administração pública se faz presente no cenário tributário brasileiro, leia-se: expurgos inflacionários e criações de exações tributárias para compensá-los; empréstimos compulsórios diversos para suprir despesas extraordinárias para investimentos de relevante interesse nacional que não foram devidamente planejados, etc. Sendo assim, apesar dos latentes problemas financeiros que vem enfrentando o Governo Federal, afora toda a crise política já instalada, não se mostra plausível repassar mais essa conta para o contribuinte. Na verdade, a relação jurídica tributária já se mostra desproporcional o suficiente para que se conceba mais esse excesso da carga tributária a prejudicar o patrimônio do particular, tudo a despeito da ausência de cortes relevantes nos gastos públicos.

 

A necessidade de a população continuar se insurgindo contra a referida exação faz-se imperiosa, posto que a não aprovação da citada PEC deve ter por escopo o verdadeiro interesse de atender aos anseios do continente e não de se mostrar como mera moeda de troca política entre os poderes.

 

Presidente da Comissão de Direito Tributário e Direito de Empresa da OAB-CG

 

    Veja outras notícias:


 

  • Pronunciamento do presidente da OAB-PB, Paulo Maia, em sesso na ALPB, sobre o fechamento das Cormarcas
    Pronunciamento do presidente da OAB-PB, Paulo Maia, em sessão na ALPB, sobre o fechamento das Cormarcas
  • Solenidade de entrega de carteiras
    Solenidade de entrega de carteiras
  • Inaugurao do Espao de Amamentao e Fraldrio
    Inauguração do Espaço de Amamentação e Fraldário
  • Desagravo Pblico
    Desagravo Público
  • Desagravo Pblico - Entrevista com Dr. Paulo Maia
    Desagravo Público - Entrevista com Dr. Paulo Maia
  • Desagravo Pblico - Entrevista com Dr. Cludio Lamachia
    Desagravo Público - Entrevista com Dr. Cláudio Lamachia
 

 

   
 



MAIS LIDAS

 

OAB-PB emite nota contra MS do Sindicato dos Advogados da Paraíba que pede ao STF fim de audiências de custódia

 

Advogados pagam anuidade 2018 com 20% de desconto até 31 de janeiro

 

Presidente da Subseção da OAB de Pombal discute com juízas melhorias no funcionamento do Judiciário pombalense

 

Advogados passam a ter atendimento prioritário em Fórum de Mangabeira

 

Paulo Maia se reúne com procurador-geral de justiça e discute contratação de advogados por inexigibilidade de licitação

 

INFORMATIVOS OAB-PB

 

 

Receba nossos informativos no seu e-mail.

 

 

 
 
 

OAB-PB
Diretoria
Conselho Seccional e CCA
Comissões
Ouvidoria Geral da OAB-PB
Subseções
Câmaras
Tribunal de Ética

SERVIÇOS
Central de Currículos
Certificado Digital
Documentos para inscrição
Eleições
Exame da Ordem
Legislação

 

 
Pagamento de Anuidade
Resoluções
Requerimento de Certidão
Portal da Transparência
Tabela de Honorários
Convênios
Acesso ao Webmail

ENDEREÇO
Rua Rodrigues de Aquino, 37
CEP: 58013-030
Centro - João Pessoa - PB

TELEFONES
(83) 2107-5200
(83) 2107-5219
(83) 2107-5205 (FAX)