12/06/2019
OAB não aceitará inscrição de acusados de violência contra pessoas LGBTQ+

 
 

 

Reunido em caráter ordinário na segunda-feira (10), o Conselho Pleno da OAB decidiu à unanimidade pela edição de uma súmula que torne casos de agressões e violência contra pessoas LGBTI+ fatores impeditivos de inscrição nos quadros da OAB. A decisão segue o padrão de deliberações anteriores sobre agressores de mulheres, crianças, adolescentes, idosos e pessoas com deficiência física ou mental, constantes das Súmulas n. 9 e 10/2019.  

A relatoria no Conselho Pleno ficou a cargo de Carlos da Costa Pinto Neves (PE). “Não há dúvidas de que, nos tempos obscuros em que vivemos, todas as pessoas estão sujeitas à violência, sobretudo na crise de segurança pública que vivenciamos em nosso país. Contudo, a comunidade LGBTI+ é vítima de violência adicional, motivada por ódio e intolerância que são absolutamente incompatíveis com o estado democrático de direito, que na sua essência preza por liberdades individuais, igualdade e dignidade da pessoa humana”, alertou.

Neves lembrou que o recém-publicado Atlas da Violência de 2019 apontou um aumento de 127% da violência contra pessoas LGBTI no Brasil. “Em 2017, a cada 19 horas uma pessoa LGBTI+ morreu em nosso país. Apesar de sermos signatários de acordos internacionais e de recomendações à ONU contra a violência de gênero, ainda batemos recordes expressivos de homofobia. O Brasil é o país que mais mata pessoas deste grupo”, disse.

O conselheiro federal Carlos Roberto Siqueira Castro (RJ) classificou como assustador o número de crimes por minuto que têm como vítimas as pessoas LGBTI+ no Brasil. “Nosso país é campeão mundial em atrocidades desta natureza. Acho sim, que, não goza de idoneidade aquele que cometeu crime público e notório de violência contra membro da comunidade LGBTI+. É como um crime de pedofilia: a pessoa pode ser até absolvida na instância criminal, mas inegavelmente não é idônea para a prática de uma atividade como a advocacia, que defende exatamente as liberdades”, reforçou.  

A matéria teve origem no conselheiro federal Hélio Leitão (CE), que preside a Comissão Nacional de Direitos Humanos da OAB. Ele recebeu a consulta original de Anderson Cavichioli, secretário-geral da Rede Nacional de Operadores de Segurança Pública LGBTI+ (Renosp LGBTI+).

 

      Veja outras notícias:


 

  • Primeira Conferncia da Mulher Advogada do Serto em Patos
    Primeira Conferência da Mulher Advogada do Sertão em Patos
  • O antes e o depois da Nova ESA Campina Grande
    O antes e o depois da Nova ESA Campina Grande
  • Inaugurao Nova ESA Campina Grande
    Inauguração Nova ESA Campina Grande
  • Solenidade especial de entrega de carteiras
    Solenidade especial de entrega de carteiras
  • Lanamento da Incubadora Jurdica da OAB-PB
    Lançamento da Incubadora Jurídica da OAB-PB
  • Colgio de Presidentes de Subsees
    Colégio de Presidentes de Subseções
 

 

   
 



MAIS LIDAS

 

OAB-PB pede à Corregedoria do TJ revogação de Portaria da 5ª Vara de Família de JP que viola prerrogativas

 

OAB-PB realiza II Curso Preparatório para Advocacia; participe

 

OAB-PB realiza solenidade de entrega de carteiras a advogados e estagiários nesta quarta e quinta; confira nomes

 

TJ atende pedido da OAB-PB e advogados não precisam mais passar por revistas em Fóruns

 

Lei garante poderes à advocacia paraibana para autenticar documentos

 

INFORMATIVOS OAB-PB

 

 

Receba nossos informativos no seu e-mail.

 

 

 
 
 

OAB-PB
Diretoria
Conselho Seccional e CCA
Comissões
Ouvidoria Geral da OAB-PB
Subseções
Câmaras
Tribunal de Ética

SERVIÇOS
Central de Currículos

Documentos para inscrição
Eleições
Exame da Ordem
Legislação

 

 
Pagamento de Anuidade
Resoluções
Requerimento de Certidão
Portal da Transparência
Tabela de Honorários
Convênios
Acesso ao Webmail

ENDEREÇO
Rua Rodrigues de Aquino, 37
CEP: 58013-030
Centro - João Pessoa - PB

TELEFONES
(83) 2107-5200
(83) 2107-5219
(83) 2107-5205 (FAX)