31/08/2018
O Poder Judiciário que não funciona

 
 

 

Pelo relatório “Justiça em números”, divulgado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) nesta semana, no ano passado (2017), as despesas totais do Poder Judiciário somaram R$ 90,8 bilhões, um crescimento de 4,4% em relação ao ano anterior. Isso significa que cada brasileiro desembolsou, em média, R$ 437,47 para sustentar os custos da Justiça- R$ 15,2 a mais do que em 2016.

O documento aponta que o dispêndio com gastos de pessoal foi o vilão do aumento acentuado dos custos do judiciário brasileiro, com 90%(noventa por cento) da despesa total. Nas despesas com recursos humanos estão incluídos principalmente os gastos com salário de magistrados, servidores, inativos, terceirizados e estagiários, além das demais assistências, como auxílio-alimentação, diárias e passagens.

Essa distorção na gestão e aplicação do orçamento do judiciário compromete seriamente os serviços prestados à população, precarizando-os a cada dia mais e resultando num processo judicial moroso e ineficiente para a solução do conflito e restabelecimento da paz social. Em que pese o relatório também ter apontado o aumento na produtividade dos juízes, este dado não foi suficiente para mudar significativamente o cenário da morosidade.

É esse o quadro que, lamentavelmente, vemos no estado da Paraíba, que há algum tempo, vive um dos piores momentos da nossa justiça Estadual, retratada pela falta de juízes e servidores, principalmente nas comarcas mais distantes da capital e na carência de meios para seu regular funcionamento, derrubando perigosamente os níveis de proteção da pessoa e da sociedade, contribuindo para a sensação de impunidade no combate à criminalidade e para o descrédito da própria justiça.

 A advocacia é, por mandamento constitucional, uma das protagonistas do sistema de Justiça, mas tem seu papel desprezado nas decisões que envolvem o funcionamento do judiciário no tocante ao serviço jurisdicional prestado à população, deixando bem nítida a impressão de que a justiça enquanto poder ainda não assimilou o seu papel como uma das instituições integrantes de um Estado Democrático de Direito, no dever de se abrir à participação democrática das demais instituições e da sociedade em sua atividade finalística, essencialmente pública.

 A Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional da Paraíba (OAB-PB), nos últimos dois anos buscou o judiciário local para resolver inúmeros problemas afetos aos serviços judiciais nas varas da capital e do interior, esbarrando sempre na argumentação da falta de verba para a sua solução, não obstante se tenha, pontualmente, resolvido alguns poucos problemas.

 Em outras oportunidades, a OAB-PB teve que adotar uma postura de enfrentamento, como no caso da unificação dos cartórios de família, na supressão do pagamento dos honorários em precatórios preferenciais e da extinção das comarcas. A Comissão de Combate à Morosidade da Seccional vem atuando diretamente no contato com os magistrados na busca de se acelerar a tramitação dos processos dos quais é provocada, com notável êxito, mas ainda longe do esperado e do ideal.

Os relatórios do CNJ da “Justiça em Números” vem apontando de forma recorrente que o judiciário brasileiro gasta muito mal as verbas públicas que lhe são destinadas. Não é um fenômeno isolado e localizado. Não tem sentido algum se consumir noventa por cento de seu orçamento apenas com pagamento de pessoal e deixar descoberta sua estrutura de funcionamento e prestando com isso um péssimo serviço num serviço essencial. É fundamental que o Poder Judiciário encontre novamente seu caminho. Estamos todos não apenas torcendo por isso, mas prontos a colaborar, porque, ao final, toda a sociedade sairá vitoriosa.

Paulo Maia

Presidente da OAB-PB

 

      Veja outras notícias:


 

  • ALPB homenageia Paulo Maia e Joo de Deus com Medalha e Ttulo de Cidado Paraibano
    ALPB homenageia Paulo Maia e João de Deus com Medalha e Título de Cidadão Paraibano
  • Concesso da Medalha de Mrito Jurdico ao presidente da OAB-PB, Paulo Maia
    Concessão da Medalha de Mérito Jurídico ao presidente da OAB-PB, Paulo Maia
  • Concesso da Medalha de Mrito Jurdico ao presidente da OAB-PB, Paulo Maia - Parte 2
    Concessão da Medalha de Mérito Jurídico ao presidente da OAB-PB, Paulo Maia - Parte 2
  • Concesso da Medalha de Mrito Jurdico ao presidente da OAB-PB, Paulo Maia - Parte 3
    Concessão da Medalha de Mérito Jurídico ao presidente da OAB-PB, Paulo Maia - Parte 3
  • Concesso de Ttulo de Cidado Paraibano ao vice-presidente da OAB-PB, Joo de Deus
    Concessão de Título de Cidadão Paraibano ao vice-presidente da OAB-PB, João de Deus
  • III Encontro Nacional da Advocacia do Serto
    III Encontro Nacional da Advocacia do Sertão
 

 

   
 



MAIS LIDAS

 

Comissão presta solidariedade a comunidade judaica da Paraíba após ataques a sinagoga

 

OAB-PB aciona corregedoria do TJPB contra morosidade dos servidores da comarca de Belém

 

OAB-PB emite nota técnica sobre a MP que extinguiu o DPVAT

 

CAA adere a convênio da CONCAD com a Farmácia Pague Menos que oferece descontos de até 45% em medicamentos

 

OAB-PB realizará solenidade de entrega de carteiras nesta quinta

 

INFORMATIVOS OAB-PB

 

 

Receba nossos informativos no seu e-mail.

 

 

 
 
 

OAB-PB
Diretoria
Conselho Seccional e CCA
Comissões
Ouvidoria Geral da OAB-PB
Subseções
Câmaras
Tribunal de Ética

SERVIÇOS
Central de Currículos

Documentos para inscrição
Eleições
Exame da Ordem
Legislação

 

 
Pagamento de Anuidade
Resoluções
Requerimento de Certidão
Portal da Transparência
Tabela de Honorários
Convênios
Acesso ao Webmail

ENDEREÇO
Rua Rodrigues de Aquino, 37
CEP: 58013-030
Centro - João Pessoa - PB

TELEFONES
(83) 2107-5200
(83) 2107-5219
(83) 2107-5205 (FAX)